↑ Voltar para Seva

Imprimir Página

Puja – a adoração

Srila Gurudeva adorando Sri Jagannathadeva no Vyasa-puja (janeiro 2010)

 

Nesta era de Kali, nosso único objetivo de consideração para o benefício da comunidade Sri Gaudiya Vaisnava na linha de Madhvacarya é o processo de adoração a Deus, em especial, as regras e restrições recomendadas pela prórpia Suprema Personalidade original de Deus Sri Caitanya Mahaprabhu, o salvador das almas caídas.

Estes ensinamentos de Sriman Mahaprabhu nos foram apresentados na forma das escrituras sagradas, os sastras por intermédio dos acaryas vaisnavas como Srila Rupa Gosvami, Sanatana gosvami, Jiva Gosvami, Gopalabhatta Gosvami e outros santos.

Sri Bhagavan é o único objeto adorável dos Vaisnavas. (…)

Assim, o processo de executar arcana (adoração) de Sri Bhagavan foi estabelecida sob a base do Sri Narada-pancaratra e outros Smrtis. O Srimad-Bhagavatam recomenda que, após receber visnu-mantras de um mestre espiritual fidedigno (sadguru) e aprender o procedimento de arcana com ele, deve-se adorar a Sua Deidade de Bhagavan Sri Hari favorita.

A consciência da alma condicionada é muito inconstante e semelhante àquela de uma criança ignorante. Somente pela misericórdia do acarya que a pessoa desenvolve uma atitude reverencial em relação à Deidade transcendental e se torna afortunada para receber a isntrução acerca da adoração a Sri Visnu, que é não dual e único (advaya).

Aqueles que são avesos ao serviço a Sri Hari desconsideram o caminho de arcana e, ao invés disso, se ocupam em atividades de karma e no cultivo de jñana. Por outro lado, aqueles que executam arcana de acordo com as regras do pancaratrika sabem que bhakti-yoga é o caminho mais elevado. (…)

Quando a jiva se torna livre da influência de seu ego material e aceita a ocupação de um servo, então seu Sri Bhagavan adorável Se manifesta diante dela na forma de uma Deidade para aceitar o seu serviço.

yena janma-sataih purvam  vasudevah samarcitah, tan-mukhe hari-namani sada tisthanti bharata

Os devotos elevados de Sri Bhagavan comentam acerca deste verso: para alcançar a elegibilidade para adentrar genuinamente em nama-bhajana, a jiva deve primeiramente se elevar ultrapassando o estágio de kanistha-adhikari e alcançando o estágio de madhyama-adhikaari por prestar serviço à forma da Deidade de Bhagavan (arcavatara). O processo de adoração à Deidade é mencionado tanto no Pancaratra como no Bhagavatam.

Por se adorar com fé a Deidade de Vasudeva [Sri Krsna] com o auxílio de vários itens, o praticante gradualmente compreende profunda e praticamente a natureza intrínseca do nome e mantra transcendentais, os quais, por sua vez, reduzem suas concepções mundanas. Além de arca-vigraha, a Deidade de Bhagavän, a jiva mantém uma tendência intensa de desfrute com relação aos objetos perceptíveis. Portanto, com o objetivo de aprimorar a sua atitude reverencial em relação a Sri Bhagavan, recomenda-se que o devoto neófito execute todos os seus esforços para o prazer de Bhagavan enquanto, simultaneamente renuncia completamente a outras atividades.

Ao se praticar arcana, deve-se focar a atenção na arca-vigraha e no próprio processo de arcana. Por se avançar no processo de arcana, a pessoa adentra a morada de bhajana (meditação devocional espontânea). Embora o processo de arcana não seja a prioridade no bhajana, ainda assim, bhajana não se opõe à atitude reverencial de serviço requerida para arcana. Na verdade, a arca-vigraha é uma encarnação especial de Bhagavan. As encarnações de Bhagavan aparecem neste mundo em determinadas épocas, mas tanto a Superalma quanto a arca-vigraha podem ser realizadas a qualquer momento através do processo do serviço devocional amoroso.

Existe uma diferença básica entre arcana e bhajana: arcana é uma atividade executada com uma atitude reverencial, enquanto que pode parecer que bhajana transgrida tal caminho recerencial. Ainda assim, uma vez que se abriga completamente no cantar de hari-nama, bhajana é em si um processo de serviço devocional exclusivo a Bhagavan.
Por se executar arcana de Bhagavan, logo a pessoa sente um prazer imenso em si mesma, isto é a causa  de todas as variedades de perfeições e auspícios. Sem realizar arcana, não é possível para uma pessoa apegada ao desfrute material se libertar da má associação e outras coisas do gênero. O próprio Sri Bhagavan nos instrui acerca do processo de Seu arcana na forma das orientações estabelecidas nos sastras.

Banhar a Deidade com mantras, adorar à Deidade no diferentes (intervalos), limpar a Deidade, trocar a roupa da Deidade e decorar a Deidade com ornamentos, pingar água purificada nos diferentes instrumentos e ingredientes empregados no arcana, oferecer padya (ingredientes usados para banahr o pés da Deidades), arghya-acamaniya (ingredientes usados para lavar a boca), inscenso, aromas, uma lamparina, flores, alimento, adorar os devotos eternos da Deidade do guru-parampara, cantar o mula-mantra, recitar hinos, oferecer reverências prostradas, recitar precer e honrar guirlandas, camdana (pasta de sândalo), flores e outros itens oferecidos a Deidade ssõ membros de arcana. Construir um templo para a instalação apropriada da Deidade são todos membros integrais de arcana. Deste modo, por se fazer arcana de Sri Hari com devoção pura e uni-direcionada, a pessoa alcança o serviço devocional amoroso aos Seus pés de lótus (bhakti-yoga). Por ser um avatara especial de Bhagavan, a Deidade cativa a fé do praticante que executa arcana (arcaka), e concede todos os auspícios para ele.

(Trechos da introdução do livro Arcana Dipika)

 

Link permanente para este artigo: http://www.gauravani.com.br/seva/puja-ou-adoracao/